11 2604-5322 | 2601-5657

Como ter um Jardim Japonês

Na cultura oriental – diferente da ocidental – jardins não são espaços voltados para lazer em conjunto. Nos jardins japoneses, por exemplo, os espaços são pensados de jeito que favoreçam a meditação. Os jardins do Japão são ambientes de harmonia, calma e busca espiritual. Sendo assim, eles são pensados seguindo os preceitos do Feng Shui, que tem como objetivo tornar locais harmoniosos e cheios de energia positiva.

Normalmente, os jardins japoneses são grandes e cheios de simbolismo. Cada pedacinho, cada detalhe, possui uma motivação, que deve gerar um resultado harmonioso, que provoque um estado zen em quem o frequenta. Para o povo do Japão, os jardins representam uma das mais esplêndidas formas de arte, pois eles refletem a essência da natureza e permitem que o homem se conecte a ela. Apesar de serem, na sua maioria, jardins espaçosos, seguindo algumas características você pode ter um jardim oriental na sua casa, mesmo que seu espaço não seja tão amplo.

Composição estética natural

O primeiro detalhe a ser observado num jardim japonês é que a composição deve parecer natural. Assim sendo, deve haver uma preocupação especial com a harmonia e em se criar paisagens não sobrecarregadas. Para organizar bem o espaço, pense em deixar locais definidos para trabalhar os elementos da natureza (são a alma de um jardim oriental). Reserve um espaço para água, para pedras e para arbustos variados, sem falar em bastante espaço para o verde.

Gramado verde e bem conservado

O verde deve ser a cor predominante em um jardim japonês. Portanto, um gramado é essencial para criar a hamonia e energia positiva pretendidas pelo Feng Shui. Em geral, jardins japoneses utilizam grama esmeralda (Zoysia japônica), mas uma ideia interessante para conseguir um resultado esteticamente similar é usar grama sintética.

Um tapete de grama sintética possui uma aparência que se aproxima muito da grama natural e é perfeito para quem busca reduzir custos de manutenção. Além disso, ela possui proteção antichamas (não espalha fogo) e proteção contra a proliferação de microorganismos indesejados. É uma opção que combina perfeitamente praticidade, exuberância e conforto: ambiente ideal para meditar.

Em combinação com o verde do gramado, utilize plantas que sejam duráveis. Em um jardim japonês, elas devem ter vida longa, pois a ideia é transmitir continuidade e herança. Os vasos das plantas podem ser decorados artesanalmente com a temática japonesa. Use toques de cores suaves, que aumentam a sensação de paz e tranquilidade.

Elementos da natureza

Num jardim japonês temos, ainda, mais dois elementos importantes: água e pedras. A água pode ser um lago, rio, fonte, uma cascata, enfim, o que for possível de acordo com o seu espaço e que mantenha a sobriedade. Se possível, inclua na aguá carpas Nishikigoi-koi; são típicas dos jardins nipônicos e simbolizam a fertilidade e a prosperidade.

Já as pedras tem duas funções num jardim japonês: decorar e servir para demarcar um caminho. As pedras decorativas são dispostas por toda a extensão do jardim, principalmente próximas ao elemento água.

Já as pedras que devem demarcar caminho são de dois tipos: Nobedan, que são pedras de tamanhos variados dispostas em mosaico mas todas com o topo uniforme; e Tobiishi, que possui pedras grandes, irregulares e afastadas entre si. O caminho de pedras Tobiishi possuem um simbolismo forte pelo fato de suas pedras serem irregulares, somos forçados a prestar muita atenção na hora de caminhar, mantendo o foco no momento e deixando de lado os problemas mundanos.

Seguindo essas dicas, você pode obter um lindo jardim japonês. Independente do seu espaço, tendo em mente esses aspectos dos jardins nipônicos, você terá um ambiente ideal para meditar e obter paz, algo mais que precioso na vida corrida de hoje em dia!

 

 

Deixe uma Resposta.